terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

A estreia, com 'Black Swan'.

Buenas! Primeiro post aqui pelo blog, não aguentei esperar meus companheiros que sumiram desse meu Brasil nas férias, hahaha, mas em breve todo mundo chega e começamos com tudo, aloks!

Antes de começar, gostaria de deixar beeem claro que não vou fazer uma crítica sobre. Quando eu assisto a um filme, gosto de comentar sobre eles e sim, apenas comentar haha. Não sou especialista ou nada do gênero, sou apenas uma amante da sétima arte que decidiu, quase ontem, que queria criar um blog com os amigos para podermos comentar cada um de seu assunto de maior interesse. Eu não vou ficar postando por aqui somente esses meus devaneios sobre cada filme que assisto (podem dizer, eu deixo: graças a Deus! Hahah), mas posso vir aqui e comentar uma notícia e até mesmo sobre os vestidos das celebs nos Red Carpets da vida! Atóóron hahaha.

Agora, sobre Black Swan... E, se alguém está lendo esse post, só continue caso já tenha assistido ao filme, não quero estragar nada, ok? rs




Já começando com uma belíssima-dança-lindamente-filmada e que faz questão de focar somente nos movimentos dos pés da bailarina (me perguntei “é uma dublê?” até que a câmera, sem cortes, revela: não, não é, é a própria Natalie Portman), Cisne Negro começa com um toque de surrealismo quase aterrorizante. O filme utiliza uma fotografia sombria, parece que estamos mergulhados nos pesadelos de Nina. Até seu quarto, que é extremamente infantil (cheio de bichinhos de pelúcia, papel de parede rosa, móveis brancos etc, mantidos pela mãe que exerce um controle exagerado sobre a filha), fica sombrio. Ao ganhar o papel principal da nova peça (O Lago dos Cisnes) da companhia onde dança, Nina começa a enfrentar o peso dele.

Todos podemos observar que Nina é perfeita para o papel do Cisne Branco. É delicada, e podemos notar isso logo de início pelo jeito como fala. Mas para ser a “Swan Queen” perfeita, falta sensualidade para o papel de sua irmã gêmea, o Cisne Negro. E é em Lily (uma das bailarinas da companhia, vivida por Mila Kunis, que é sensual só ao passar pela câmera, that bitch! hahah) que Nina acha o que lhe faltava. Exatamente seu oposto, Lily é despojada e livre em seus movimentos, fazendo com que Nina criasse uma espécie de alter-ego, dupla personalidade (ou como queiram chamar) com a cara de Lily. Interessante notar, também, que o oposto está presente até nas roupas das duas, Nina está sempre de branco e Lily, de preto.

Outra coisa que adorei foi a trilha sonora. Fantástica... E o som do filme? MA-RA! Um exemplo? Lembra quando ela estava em casa treinando, a câmera focada na sapatilha em câmera lenta, mostrando ela rodopiar? Então, lembra do som nessa hora? Amazing. Fora isso, lembra quando ela dança como o Cisne Negro e as asas surgem? Lembra do barulho delas? Amazing. Sem contar outros exemplos, como as gargalhadas que ela escuta toda hora, parte de seus devaneios.

As atuações são ótimas... Mila Kunis deixando claro o porquê de Nina desejar ser sensual como ela e Vincent Cassell ótimo como o instrutor Thomas. Agora, Natalie Portman... Quase sem palavras. Logo no início, quando ela liga para a mãe do banheiro feliz porque conseguiu o papel da Swan Queen, putz, só ali ela já me cativou. Além disso, ela nos faz sentir a paranóia de Nina em cada segundo de filme, nos fazendo sentir até pena da moça. E ao mesmo tempo em que é competente em fazer um Cisne Branco meigo e (plus!) sem ser chata, é EXTREMAMENTE competente ao retratar a mudança de Cisne Branco para Cisne Negro na dança final, onde ela dispara sensualidade para todo canto, adotando aquela respiração ofegante e olhar vidrado seduzindo a todos os espectadores.

E gente, por falar nessa dança, pelamor, só eu achei o máximo aquelas asas negras? Hahaha. Achei luuusho! E mais fantástico ainda foi a câmera pegando a visão da platéia, onde a sombra tinha as asas e podemos observar Nina sem elas. Dignoooo.

E por falar em Cisne Branco, Cisne Negro etc, vou comentar o que achei da história em si. Achei que o que acontece com Nina é o que acontece com o Cisne Branco da própria peça. Presa no corpo dele (puro, virgem etc), ela tem a paixão platônica por Thomas, que só é mostrada quando está como Cisne Negro já que ao final da dança, ela o beija. E, logo depois disso, o que ocorre? Ela morre. Na verdade, ela se matou. E não é essa a história do Lago dos Cisnes? E além disso, Thomas, antes dela entrar no palco, fala: a única pessoa que está no seu caminho é você; livre-se dela, transcenda. E, afinal, não foi isso que ela fez? Ela se mata... Com um espelho. Adoreeeeei zente hahaha.

Não à toa, filmes como este me fazem pensar na hora: Cinema também é chamado de “Sétima Arte” por filmes deste nível. Não à toa este é meu favorito do Oscar até então.

8 comentários:

Anônimo disse...

Essa cena da sombra do cisne é muito linda, dá arrepios. E a Natalie tá tão, mas tão bem, que é visível a melhora dela na performance do Cisne Negro após o acidente. Antes você percebia ela se esforçando sem muito sucesso, e ela consegue fazer essa permuta naturalmente. Isso é talento. Se ela não levar o Oscar, será uma das maiores injustiças dos últimos anos.

Anônimo disse...

Como eu te falei, nunca vou me esquecer de certas imagens do filme. Toda a sequencia da dança já nasceu histórica, absolutamente arrebatadora. E Portman está POSSUÍDA, a mulher está impressionante!

Liv Amaral disse...

Primeiramente, benvinda ao mundo dos blogueiros honey!
E parabéns pelo post, é ótimo, reflete bem seu jeito descontraído, não deixando de ser bem escrito. E sim, Cisne Negro é arrebatador, e lembrar destes detalhes que descreveu tendo acabado de assistir ao filme me fez relembrar e admirar ainda mais, o filme não me sai da cabeça, assim como a melodia de O Lago dos Cisnes, vai ficar em minha mente por dias! hahaha
Atóóóron!
Bjos

CL - ACM RJ disse...

Uau, ueria assistir um filme com seus olhos um dia e poder ter toda essa visao critica q vc tem! Concordo com td q vc disse mas so pensei nisso td pq vc escreveu aqui! XD
Da pra ver que vc escolher a faculdade certo! I'M SO PROUD OF YOU!! huahauha

Bjoo amiga,

Renan Gianoti

Anônimo disse...

Hahaha, só você quéériiiido! Muito obrigada pelos comentários, gentem! Belo de um empurrão para manter firme e forte isso daqui :D

CL - ACM RJ disse...

A unica coisa que eu nao gostei foi q como um estudante da area da saude eu queria desesperadamente saber q porra de doença que ela tinha, e como dançarino eu fikei bolado q ela so dança com cara de sofrimento, ngm merece neh! huahauha

Renan Gianoti

Andréa Faria disse...

hahahahahaha
Renannnnn... são os "traumas" de vida dela que deixam ela assim... pra baixo. Como sabemos, TODO BAILARINO deve dançar sorrindo. mas a bOnita so tem aquela carinha de tristeza... só pode ser uma coisa.. a menina estava sofrendo. psicologo now nela.. é, agora nao adianta mais jahahahaha

melhor filme do oscar :)

Kah, nao falo nada do post ^^

Bjaaao,

Andréa Faria

Thiago disse...

Bom, Karina, acabei de ver o filme...tanto você estava me obrigando a ver...huehuehue. Primeiramente tenho que dizer que apenas comentarei rapidamente, vc escreve mto melhor que eu e sua crítica está sensacional. Me "venderam" o filme como sendo um filme de balé. Não é. É um filme sobre esquizofrenia...pura e simplesmente, uma bailarina tímida, com uma mãe controladora e um professor autoritário o que causa o estopim da doença (e ao contrário do que Uma Mente Brilhante tenta e falha), o filme mostra absurdamente bem o quão terrível essa doença pode ser. Sempre gostei da Natalie, mas nesse filme ela realmente está possuída, é uma daquelas atuações a ser lembrada por anos e é um Oscar praticamente certo (e merecido obviamente). Quanto ao Darren, mais uma vez brilhante no seu papel de diretor, é impossível não traçar uma certa semelhança entre o final de Black Swan e The Wrestler. Darren não inventou a roda, não inova em nada, mas seu trabalho é mais uma vez cumprido com total afinco. E seu filme, como bem disse a Liv, é arrebatador e sua trilha tb...não é o filme que vencerá o Oscar, mas com certeza merece estar lá e figurar na lista dos grandes filmes do ano.
Aliás, este será um grande Oscar, pq apesar de ter visto apenas metade dos filmes indicados, todos eles já se mostram filmes superiores e até bem superiores a muitos que figuraram ano passado entre os 10 (Preciosa e The Blind Side, alguém lembra?). Mas tem tb o lado que me parece simplesmente impossível comparar filmes distintos como Avatar, A Rede Social, A Origem, Guerra ao Terror, Amor Sem Escalas e Black Swan.

Thiago M. Cezimbra