terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

O preço do crescimento



É, galera. Demorei, mas finalmente coloco aqui o primeiro de - espero, muitos - posts, cujo texto, diria nossa companheira, Karla Passeri, "tem a minha cara" (risos).

Como a aposentadoria de Ronaldo já é assunto ultrapassado, resolvi escolher dois casos polêmicos os quais tive oportunidade de cobrir para o LANCE!, sobre os quais podemos discorrer sobre o viés da personalidade dos indivíduos.

O primeiro caso aconteceu na cidade gaúcha de Veranópolis, mais precisamente com jogadores do clube homônimo. Cinco atletas decidiram reunir-se na casa do zagueiro Anderson Bill para jantar enquanto assistiam à estreia do Santos pela Libertadores, contra o paraguaio Deportivo Táchira.

Durante a noite, no entanto, o atacante Gilson e o meia Marcos Paraná começaram a discutir, agrediram-se e destruíram a casa do companheiro de equipe. O cúmulo da violência foi a utilização de uma faca por parte de Gilson para ameaçar Marcos, que, assustado, pulou da sacada do apartamento, fraturando duas costelas.



Moral da história: ambos tiveram seu contrato rescindido pelo Veranópolis, o escândalo tomou conta da pacata cidade do interior gaúcho e o presidente Gilberto Generosi (foto), a quem tive oportunidade de entrevistar por telefone, usou termos como "vergonha" e "situação desanimadora" para referir-se ao ocorrido, visto que, em uma cidade pequena, é fácil ter o nome manchado e a reputação destruída. No mesmo dia da rescisão com os dois, o técnico também deixou o clube, mas, de acordo com o presidente, nada tinha a ver com o fato em questão.

Contada a situação, fica a indagação: levando em conta que Marcos era peça-chave da equipe e Gilson vinha se firmando como titular, haveria motivo para jogar o sucesso que vinham fazendo - com a equipe classificada para as quartas-de-final do Campeonato Gaúcho - no lixo? Pois foi o que fizeram. Despedidos pela diretoria, os dois tiveram de sair da cidade, o que não sei se já fizeram. Quando pude entrevistar Marcos Paraná, também por telefone - ele relutou em falar sobre o caso -, ele disse estar recuperando-se em casa, fato que estranhei, para alguém que teria fraturado duas costelas tão recentemente.

Conseguiriam dois companheiros de time, apesar da boa fase que viviam, estragar, quem sabe, uma carreira em uma noite? Menos ainda, em um acesso de raiva? O presidente Generosi me contou que, embora Gilson fosse uma pessoa tranquila dentro e fora de campo, Marcos sempre foi explosivo, agitado. Para exemplificar, foi expulso em duas das quatro partidas que disputou.

Há quem diga que pode ter sido a pressão costumeira sob a qual vive um jogador de futebol. Outros poderiam supor que a causa foi o "stress do dia-a-dia", ou a "vida corrida que temos atualmente", graças ao comodismo de um puro lugar-comum.

Acho que, depois de um texto - talvez, desnecessariamente - tão longo, é melhor deixar o outro caso para um post mais adiante. No entanto, deixo uma pergunta: o quanto vale uma carreira em construção? Que valor deve ser atribuído a uma oportunidade recebida? Certamente, os dois atletas em questão deixaram uma chance de ouro - "menos, por favor", diriam uns - passar.

Para quem quiser detalhes das declarações de personagens desta matéria, acesse:

http://www.lancenet.com.br/minuto/Veranopolis-Campeonato_Gaucho_0_428957264.html

17 comentários:

André Morais Pereira disse...

Caralho e eu achando que já tinha visto de tudo no futebol! Ta foda essa merda cada vez mais. Daqui a pouco se matam pelo tamanho da trave. Enfim, ta mandando bem ai com as notícias, os furos do Vasco quando eu trabalhar la eu te mandarei, só não explana, ahuehauehuhae

Rafael Ramos disse...

Dois imbecis inconsequentes, não há outra expressão melhor para defini-los! kkk

Alec Lins disse...

Achei interessante voce tratar de uma historia que os jornais com certeza nao dariam muito destaque
esses jogadores nao eram 'ninguem' e conseguiram se arruinar
enquanto o Adriano vive as custas do proprio marketing por causa de uma ou duas temporadas de algum bom futebol na italia
que lhe rendeu o marketeiro apelido de imperador e nisso ele faz o que ele quer da vida blindado pelo marketing

Rômulo Paganini disse...

Quando você acha que já viu tudo no futebol... vem um idiota para fazer algo ainda mais estúpido.

Guilherme disse...

nossa , muito estranho isso , muita irresponsabilidade da parte dos dois jogadores....boa matéria , inusitada ...força ai =)

Fabio Torres disse...

realemnte fiquei surpreso com a notícia...
bela seleção de noticia flavio. Como toda bela notícia se tem o fator raro na sua , garanto que muitos como eu não sabia desse fato pois foi pouco divulgado.

Pedro Henrique disse...

Primeiramente, a carreira foi jogada "sacada" abaixo...
E qual teria sido o motivo da briga ainda mais por ser um jogo que não vale nada por estar ainda no começo da fase de grupos ?
É de se desconfiar que alguém que ameaça uma pessoa com uma faca por um motivo torpe não tenha sua sanidade mental em dia.
Isso vai da índole da pessoa e não de stress ou outros termos que a psicologia usa para rotular tais comportamentos.
Há pessoas por aí no mundo enfrentando situações que não passam na cabeça de ninguém e mesmo assim elas não surtam como os dito cujos, e sem um salário qualquer !
Esse tipo de gente deveria pensar antes de agir, porque agora ambos estão na rua e com a pseudo carreira acabada. Tomara que sirva de lição aos outros.

David Coelho disse...

Mais um caso do que vem sendo aparentemente cada vez mais comum no nosso futebol. Exemplos não faltam de jogadores que se perdem mesmo tendo uma carreira toda pela frente. O problema da maioria deles é a falta de acessoria e acompanhamento muitas vezes por serem de origem humilde. Enfim, mais um belo texto. Forte Abraço !

Marcos Paulo Rebelo disse...

É isso aí. No meio de tantos consegue jogar futebol profissionalmente e no final das contas faz e tudo pra deixar de jogar.

Carolina Xavier disse...

Uma pena as pessoas perderem a cabeça por bobagens!!
O que está faltando hoje em dia é o respeito ao próximo!!
Mais uma vez a história se repete!!
Gostei do texto!!
beijos!

rocha disse...

Que bizarro isso... As pessoas não se controlam e acabam perdendo boas oportunidades, talvez as únicas que terão em muito tempo...
Parabéns pelo texto mlq, abração !!

Parker disse...

E as consequências dessa briguinha inútil, além do técnico que recém havia assumido pedir demissão...o clube que estava com uma boa campanhar, fez uma partida fraca contra o Caxias e acabou eliminado da Taça Piratini (1º Turno do Gauchão). Acho que em circunstâncias normais e com o time que vinha antes da confusão, o VEC, como assim é chamado pela imprensa do RS, teria chances de chegar as semifinais do turno...bom, jogaram tudo por água abaixo com esse anti-profissionalismo.

Paolo disse...

muito bom o texto, que sirva de exemplo ao pessoal que esta iniciando a carreira no futebol.

Pedro Maia disse...

Excelente texto e captação de informação. Mas "pera aê": se o explosivo é o Marcos Paraná, o que é o Gilson, que puxou uma faca?! rs
Enfim, boa sorte para os dois e que tenham arrependido-se.

Iago Caldas Vasconcellos disse...

A cada dia vemos casos mais surpreendentes dentro e fora dos campos, é incrível mesmo ! Excelente texto, está de parabéns. abraço.

Daniel de Moraes disse...

O texto ta show de bola kra,não to puxando saco não hem !
respondendo sua pergunta,acho que as grandes oportunidades da vida só aparecem uma vez,e cabe a cada um saber aproveita-la da melhor forma possível,fazendo as coisas certas sem prejudicar ninguém.abração kra

keka disse...

Vemos a violência tomar conta do nosso dia-a-dia, e o pior é q: NGM FAZ ABSOLUTAMENTE NADA pra mudar esses atos.Infelizmente a violência tomou conta dos protagonistas dos estadios, em vez de continuarem sendo admirados pelos torcedores - aquela festa, aquela coisa bonita,- NÃO estão piorando a cada dia. Ótimo post!E eu posso falar? BEM FEITO Q ELES TENHAM TIDO ESSA CONSEQUÊNCIA - FIM DE UMA CARREIRA Q ESTAVA PRA ACONTECER!- #JáFaleiD+